A "furiosa" bateria do Salgueiro

     Por volta das 23 horas do sábado de carnaval, a Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro será representada por alguns de seus componentes numa exibição em Bananal. 
     Uma das grandes do Rio de Janeiro, o Salgueiro foi fundado em 1953 após a fusão de 3 escolas de samba existentes no morro. A patir daí, conseguiu fazer frente às tradicionais Portela, Império Serrano e Mangueira. 
     Seu primeiro título carioca viria sete anos depois com o enredo "Quilombo dos Palmares". 
     Em 1963, o bicampeonato, com "Xica da Silva", foi embalado por um samba-enredo que marcou época e uma série de novidades num desfile revolucionário. Uma das alas dançou polka ao ritmo do samba e arrancou gritos de "já ganhou" do público. 
     Em 1965, foi tricampeão num enredo que celebrou o 4° centenário da Cidade do Rio de Janeiro. O carnavalesco Fernando Pamplona contou com um jovem ajudante que era bailarino no Theatro Municipal: ninguém menos do que Joãosinho Trinta.
     Em 1969 mais um título cultuado em outro samba-enredo marcante "Bahia de todos os Deuses" com o refrão "zum zum zum, zum zum zum, capoeira mata um..."
     Dois anos depois, o enredo "Festa para um Rei Negro" saiu da avenida cantado em verso e prosa pelo público: "Ole lê, ola lá, pega no ganzê, pega no ganzá".
     Em 1974 (O Rei da França na ilha da assombração) e 1975 (O segredo das minas do rei Salomão) obteve mais um bicampeonato, dessa vez com Joãosinho Trinta como carnavalesco principal.
     Os anos seguintes foram marcados por crises e desentendimentos com a Liga das Escolas de Samba.
     O grito de campeão só voltou em 1993 com o enredo "Peguei um Ita no Norte" e o samba que levantou o sambódromo: "Explode coração, na maior felicidade. É lindo o meu Salgueiro, contagiando, sacudindo esta cidade..."
     Em 2009, o enredo "Tambor" trouxe o título mais recente dessa magnífica escola que é revolucionária até em seu lema: "Nem melhor, nem pior. Apenas uma Escola diferente".
     Como aperitivo para a exibição do dia 05 de março na Manoel de Aguiar, o blog insere o video abaixo com um "esquenta" da "furiosa" bateria nota 10 do Salgueiro. 

Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.