Após temporal, Barra Mansa decreta situação de emergência. Volta Redonda avalia estragos em vários bairros após alagamentos e deslizamentos de terras.


Previsão ao longo da noite desta segunda (8) é de nova chuva forte e volumosa no Sul Fluminense, no Litoral e Grande Rio

A região Sul Fluminense amanheceu nesta segunda-feira (08/04) avaliando os incontáveis estragos provocados pelo temporal que caiu no final da tarde do domingo (7). Angra dos Reis, Pinheiral e Vassouras tiveram ocorrências, mas os mais afetados foram dezenas de bairros de Barra Mansa e de Volta Redonda, com estragos em vias públicas, casas, escolas e pontos comerciais. 

O temporal provocou transbordamento de rios e córregos, alagamentos, deslizamentos de barrancos e obstrução de vias públicas. Foram registradas quedas de postes e árvores, destelhamento e desabamento de casas, quedas de muros e estragos que afetaram as redes de energia elétrica e de água nas localidades atingidas. Alguns pontos ainda se recuperavam dos efeitos da chuva torrencial que caiu na sexta-feira. 

Segundo avaliação dos órgãos públicos e Defesa Civil, o temporal deste domingo foi classificado como o pior dos últimos 12 anos na região Sul Fluminense. Pelo menos 4 pessoas ficaram feridas: 3 em Volta Redonda e 1 em Barra Mansa.

O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN) registrou o acumulado de quase 170 mm em Volta Redonda no período de 24 horas (entre as 10 horas de domingo e as 10 horas desta segunda-feira). Em Rio Claro, foram cerca de 114 mm, em Barra Mansa 98 mm e em Angra dos Reis 91 mm de chuva no mesmo período.

Pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), Angra dos Reis acumulou 46,2 mm Paraty 23,4 mm, Resende 31,6 mm de chuva, entre as 9 horas de domingo e as 9 horas desta segunda. A maior parte de toda essa chuva ocorreu em algumas horas na noite de domingo (7).

Imagens registradas por moradores em vários pontos mostram fortes enxurradas inundando os logradouros, arrastando e encobrindo veículos.






Barra Mansa

Com 37 bairros afetados, 24 deles por alagamentos, Barra Mansa decretou situação de emergência no início da noite. O prefeito Rodrigo Drable anunciou a medida em rede social, informando que o volume de água das chuvas atingiu 107 milímetros em duas horas. Segundo ele, após percorrer os bairros, a situação é "assustadora". Estimativa da Defesa Civil apontou que pelo menos 2.500 famílias foram atingidas. No início dos trabalhos, a prioridade foi a desobstrução da Via Sérgio Braga, principal ponto de ligação entre Barra Mansa e Volta Redonda, para circulação de veículos do Corpo de Bombeiros, ambulâncias e outros.



Em sua página oficial a prefeitura informa que mobilizou equipes da Defesa Civil, do Saee (Serviço Autônomo de Água e Esgoto), das secretarias de Manutenção Urbana, de Assistência Social e Direitos Humanos, do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, entre outras, para trabalhar incessantemente para minimizar os prejuízos.


"O temporal provocou o desabamento de uma residência no bairro São Sebastião (foto acima), na Rua Milton Mariano, na altura do número 599. Os escombros atingiram outras duas casas na Rua Santina Pereira de Melo. Um homem sofreu ferimentos leves e foi encaminhado para a Santa Casa de Misericórdia. Como medida de prevenção, outras seis casas foram desocupadas na localidade." informa o site.

Ainda segundo a divulgação da prefeitura, "Diversos pontos da cidade sofreram alagamentos e/ou deslizamentos, como Santa Clara, Colônia Santo Antônio, Ano Bom, Vila Orlandélia, Getúlio Vargas, São Francisco, Santa Isabel, Centro, São Judas, Paraíso, Boa Vista, Vila Elmira, Nove de Abril e outros bairros da Região Leste. O Rio Barra Mansa atingiu 5.08 metros de altura provocando inundação de casas no Nova Esperança e no São Luiz. Há registros de queda de árvores em diversas localidades."

"Em virtude da grande quantidade de barro, o trânsito foi desviado na Via Sérgio Braga, no bairro São Judas Tadeu, São Francisco, Avenida Presidente Kennedy e Vila Elmira. Os semáforos do Centro da cidade também foram afetados. Equipes da Secretaria de Ordem Pública estão atuando para a sinalização seja restabelecida ainda durante a manhã."

"Servidores da Vigilância em Saúde Ambiental foram distribuídos entre os  bairros Boa Sorte, São Luiz, Nova Esperança, Santa Clara, Jardim Marajoara e Região Leste para orientar os moradores que tiveram suas residências inundadas sobre como proceder a desinfecção do ambiente. Além da entrega do cloro para ser utilizado neste procedimento também estão sendo transmitidas orientações sobre o descarte de alimentos e medicamentos que tiveram contato com a água das chuvas e sintomas de algumas doenças."

"ABASTECIMENTO DE ÁGUA – queda de energia elétrica acarretou problemas no abastecimento de água na Região Leste. A previsão é de que o serviço seja normalizado em até 48 horas. O Saae está direcionando caminhões pipas para abastecer as residências da localidade, dando prioridade a casas com crianças pequenas, idosos e deficientes."

UBM e UNIFOA - No inicío da tarde o Centro Universitário de Barra Mansa (UBM) emitiu nota em rede social informando a suspensão das aulas desta segunda-feira nos campis do Centro e Cicuta. A FOA e a UNIFOA também comunicaram que as atividades noturnas deste dia 08 de abril estão suspensas.





Volta Redonda

A Cidade do Aço também registrou pontos de deslizamentos de terra e alagamentos. 

A Defesa Civil do município emitiu nota informando que no bairro Retiro, em fato sem precedentes, o volume de chuva atingiu 140 mm. Além do Retiro, houve acúmulo de água em ruas da Vila Santa Cecília, do Jardim Ponte Alta, da Minerlândia, Jardim Europa, Belmonte e Siderlândia. Este último, devido ao transbordamento do rio Paraíba que também afetou a extensão de toda a Beira Rio. No Aterrado, o volume de chuva chegou a 96,7 mm.




Previsão é de mais chuvas nesta segunda 

Segundo o instituto Climatempo, o Rio de Janeiro não tem chuva na manhã e no início da tarde desta segunda-feira (8). A instabilidade enfraqueceu sobre o sul do estado e sol aparece entre nebulosidade.

O risco de chuva forte deve aumentar entre o final da tarde e o início da noite em todo o centro-sul fluminense . A Baixa Pressão que atua ao largo da costa, vai favorecer a formação de nuvens carregadas nas próximas 24 horas.

Tanto o sul fluminense, que já registrou chuva volumosa, o Grande Rio e o litoral do estado podem esperar por chuva forte e volumosa ao longo da madrugada e da terça-feira (9). Há risco de alagamentos e de deslizamentos de terra.

Ainda na quarta-feira (10), embora a Baixa Pressão se desloque para o oceano, as áreas de instabilidade devem persistir provocando chuva em todas as regiões fluminenses. 

Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.