Juíza vê fins politicos na pressa por julgamento das contas de Mirian Bruno.

Em mais um despacho proferido na ação impetrada pela vereadora Lúcia Nader contra atos que a afastaram da relatoria do parecer sobre as contas de 2006 a 2008, a Juiza da Comarca de Bananal, Dra. Maria Isabella Carvalhal Esposito, negou pedido de reconsideração da decisão em que concedeu liminar suspendendo o julgamento que estava programado para ocorrer na sessão ordinária de 06 de dezembro.  

  O pedido partiu do presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Contabilidade, Robson do Amaral Rodrigues, e do Presidente da Câmara, Antônio Carlos Ramos da Silva. Eles juntaram documentos ao processo e alegaram que o adiamento da apreciação das contas pelo plenário prejudica o andamento dos trabalhos da Câmara por estar no final da legislatura.

  Ao negar o pedido dos dois vereadores, a Juíza, além de não vislumbrar urgência na apreciação das contas foi incisiva ao constatar que a celeridade que se deu ao processo, deflagrado após Mirian Bruno vencer as eleições de outubro, tem fins eminentemente politicos que não possuem qualquer fundamento jurídico. A Magistrada considerou o pedido como peça de informações prestadas pelos dois vereadores e já tornou os autos conclusos para sentença.


  Esse despacho elimina de vez, em 1ª instância, a possibilidade pretendida, por correligionários de Peleco, de impedir a diplomação da prefeita eleita que ocorrerá na próxima semana.

Confira abaixo a integra do despacho proferido na última sexta-feira, 07 de dezembro.
Despacho Proferido
A Autoridade coatora apresentou informações e pedido de reconsideração a fls. 82/89, com documentos de a fls. 162/160. O Ministério Público opinou pela concessão da segurança (fls. 162/166). Passo a apreciar o pedido de reconsideração. Aduziu a autoridade coatora que o adiamento da sessão prejudica o andamento dos trabalhos do órgão, estando no final a legislatura, Contudo, não vislumbro qualquer urgência em se proceder à nova decisão acerca das contas de chefe do Executivo dos anos de 2006 a 2008, que justifique a pretendida revogação da liminar. Com efeito, o que se pretende, em verdade, é desencavar questões outrora já decididas pela Câmara, com fins eminentemente políticos e a pressa não possui, de fato, qualquer fundamento de ordem jurídica. Sendo assim, intimem-se, tornando os autos cls. para sentença, já que, pela preclusão consumativa, tomo a manifestação da autoridade coatora como informações.
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.