PM de SP diz que ação com 11 mortos foi resultado de confronto

"Os que se entregaram estão vivos e vão depor", disse secretário da PM

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil  São Paulo

O secretário-executivo da Polícia Militar de São Paulo, coronel Álvaro Camilo, disse hoje (4) que as mortes de suspeitos em tentativas de assaltos a bancos em Guararema, na região metropolitana de São Paulo, foram resultados de confrontos entre o grupo e a polícia. Durante a ação, 11 criminosos foram mortos e dois estão presos, segundo balanço divulgado pela secretaria. O coronel destacou que os que se entregaram irão depor.
"A polícia foi preparada para o que podia acontecer. Um enfrentamento. Declarações da comunidade local da quantidade de tiros disparados na cidade ontem à noite. Isso já demonstra a agressividade. E a polícia foi com muita cautela. Não foi de perto aberto. Foi tomando cuidado, se protegendo e enfrentando os marginais onde essa opção deles foi desse jeito. Os que se entregaram estão vivos e vão depor e vão colaborar com a investigação", disse o coronel.
Não há feridos ou mortos entre os policiais e moradores da cidade. O coronel afirmou ainda que a ação mostra que "não é uma boa opção enfrentar a Polícia de São Paulo".
A tentativa de assalto, de acordo com Camilo, ocorreu por volta das 3h. O setor de inteligência já havia identificado que uma quadrilha poderia agir na região e o policiamento na área foi reforçado, embora a polícia não soubesse em qual cidade a quadrilha iria agir. Às 3h, a polícia foi mobilizada por causa da explosão de duas agências bancárias em Guararema. De acordo com o secretário, quando chegou ao local, a primeira viatura foi recebida a tiros, resultando no primeiro confronto.
Segundo a Secretaria de Segurança Pública, houve perseguição e troca de tiros em cinco pontos diferentes da cidade. Um dos criminosos chegou a fazer uma família refém. Foram apreendidos oito fuzis, quatro pistolas, duas calibres 12, explosivos, veículos e coletes. Segundo Camilo, seis viaturas foram alvejadas.
A quadrilha, informou a secretaria, tinha de 20 a 25 integrantes. Parte deles conseguiu fugir. A ação será investigada com apoio do Ministério Público e segue sob sigilo.
A operação contou com a participação do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) e do Comando e Operações Especiais (COE). De acordo com o comandante da Rota, Mario Alves da Silva Filho, os criminosos queriam o enfrentamento. “Eles não tinham intenção de se entregar.”

O secretário-executivo negou que tenha ocorrido mudança de procedimento na ação da Polícia Militar em razão do novo governo estadual. “A ideia não é o confronto. A ideia é proteger o cidadão. Se o confronto acontecer, foi opção da marginalidade”, afirmou. "Qual é o direcionamento do governo [João] Doria? É exatamente não deixar que o crime cresça mais. A ideia é criar forças, no estado todo, para fazer frente ao crime mais grave", acrescentou.
O governador de São Paulo, João Doria, em vídeo divulgado no Twitter após entrevista à imprensa, elogiou a ação dos policiais. “Bandidos que usam escopetas, fuzis e metralhadoras não saem para passear. Eles saíram para assaltar e fazer vítimas. Estão de parabéns os policiais que agiram e colocaram no cemitério mais dez [no total são 11 mortos] bandidos.” Doria disse ainda que vai homenagear os policiais no próximo dia 10, no Palácio dos Bandeirantes.


Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.