Rubro-Negros de Bananal comemoram Bi da Libertadores após chuva, picos de luz e fortes emoções


Flamenguistas temeram queda de energia, mas conseguiram acompanhar Gabigol brilhando na virada épica sobre o River Plate

Da Redação, com fotos e informações da Agência Brasil


Tão épica quanto a conquista do título de Bicampeão da Libertadores pelo Flamengo no estádio Monumental "U", em Lima, no Perú, foi a superação dos rubro-negros em Bananal para acompanhar a partida.



Não bastassem as expectativas e tensões características das grandes decisões esportivas, os rubro-negros em Bananal tiveram que torcer para fatores "extra-campo". Minutos antes do jogo começar, nuvens carregadas durante a tarde trouxeram chuva, vento e... picos de luz. Foi grande o temor de faltar energia elétrica, principalmente quando ocorreu um pico de luz momentos antes da bola rolar. Para alívio geral, a energia não chegou a cair e se manteve durante toda a transmissão.

Com o apito inicial, as reações em Bananal refletiram todo o nervosismo e vibração registrados por toda a "Nação".



Virada e bicampeonato da Libertadores


Após 38 anos, o Flamengo voltou a levantar a taça Libertadores da América, no sábado (23), após uma vitória emocionante, de virada, sobre o River Plate, por 2 a 1 no Estádio Monumental de Lima (Peru). O atacante Gabigol, artilheiro da Libertadores, fez história ao marcar os dois gols da virada rubro-negra nos cinco minutos finais da partida, garantindo o bicampeonato para o time carioca. Coincidentemente, o primeiro título da Libertadores foi conquistado pelo Flamengo no dia 23 de novembro de 1981, quando o Rubro-Negro derrotou o Cobreloa, do Chile, com dois gols do craque Zico.

O Flamengo, comandado pelo técnico português Jorge Jesus,  entrou em campo tomando a iniciativa do jogo, mas aos 15 minutos foi surpreendido, quando o meia argentino Nacho Fernandes cruzou fraco dentro da pequena área - Arão e Gerson deixaram a bola passar - e Borré aproveitou a falha da zaga para abrir o marcador com um chute rasteiro. A partir do gol, os argentinos passaram a dominar o embate, e quase ampliaram aos 36 minutos, com Palácios, que soltou uma bomba de fora da área.

     
Após o intervalo, o Flamengo voltou melhor e quase empatou aos  11 minutos quando Bruno Henrique invadiu a área pela esquerda e cruzou: Arrascaeta furou, Gabigol chutou em cima de De la Cruz, e a bola ainda voltou para Éverton Ribeiro finalizar, mas o goleiro Armani defendeu.  Aos 20 minutos, Gerson saiu de campo machucado e Diego entrou no lugar dele. Os cariocas botaram pressão e tiveram mais uma chance de empatar aos 30 minutos, em outra jogada do trio Arrascaeta, Gabigol e Everton Ribeiro. Se o gol de empate parecia encantado para o time rubro-negro, o River também desperdiçou a chance de matar o jogo aos 35 minutos, em chute rasteiro de Palácios.
Na reta final da partida, aos 43 minutos, Bruno Henrique partiu em contra-ataque, rolou para Arrascaeta que cruzou na medida para Gabigol livre empurrar para a rede e deixar tudo igual no Monumental de Lima.  E três minutos depois, ele mesmo, Gabigol ganhou a disputa de bola com Pinola e depois arriscou um lindo chute de esquerda, virando o placar para os rubro-negros a cinco minutos fim do jogo.  Festa vermelha e preta em Lima, após 38 anos de jejum. O Flamengo é campeão da 60ª edição da Copa Libertadores da América e além da taça, leva a premiação de US$ 12 milhões, o equivalente a aproximadamente R$ 50,4 milhões.
Há pouco mais de cinco meses no comando do time rubro-negro, o técnico português Jorge Jesus, de 65 anos, também fez história ao se tornar o segundo técnico europeu a conquistar  um título da Libertadores; o primeiro foi o croata Mirko Jozic, em 1991, com o time chileno Colo-Colo bateu na final o Olímpia, do Paraguai.

A festa do título em Bananal


Após a frenética vibração com os gols anotados no final da decisão, os rubro-negros explodiram de alegria com o apito final do árbitro. Rojões espocaram pelos céus de Bananal, enquanto os flamenguistas partiam para a comemoração na rua.

Na praça Rubião Júnior, onde o Consulado BananaFla organizou uma concentração para assistir o jogo em um telão, a celebração pelo título foi intensa. Dançando, pulando e se abraçando ao som de músicas e hinos do rubro-negro carioca eles acompanharam também a entrega de medalhas e o momento apoteótico dos jogadores erguendo a tão sonhada Taça Libertadores da América.

A Gazeta de Bananal registrou esses momentos numa live pelo Facebook. Assista abaixo:



Ficha Técnica:

FLAMENGO 2 X 1  RIVER PLATE

Competição: Copa Libertadores da América (final)
Local: Estádio Monumental de Lima (Peru)
Sábado, 23 de novembro de 2019

FLAMENGO:  Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís; Willian Arão, Gérson e Éverton Ribeiro; Arrascaeta, Gabigol e Bruno Henrique. Técnico: Jorge Jesus

RIVER PLATE: Armani; Montiel, Lucas Martínez, Pinola e Casco; Nacho Fernández, Enzo Pérez, Palacios e De La Cruz; Borré e Matias Suárez. Técnico: Marcelo Gallardo
Gols: no primeiro tempo com Borré (14) e no segundo tempo com Gabigol (43) e (46).

Árbitro de campo: Roberto Tobar (Chile)Árbitro de vídeo (VAR): Esteban Ostojich (Uruguai)
Assistentes: Christian Schieman (Chile) e Cláudio Rios (Chile)

Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.