Associação de prefeitos: municípios apoiarão reforma da Previdência


Presidente da CNM reuniu-se com Paulo Guedes

A aprovação da reforma da Previdência é essencial para que os municípios fechem as contas, disse ontem (12) o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Arioldi. Ele reuniu-se por cerca de duas horas com os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Cidadania, Osmar Terra, para expor a situação das prefeituras e discutir o pacto federativo.
“A reforma da Previdência é necessária para manter os municípios de pé. A expectativa de vida aumentou no país. O país não suporta mais isso. A nova Previdência é importante para a União, os estados e os municípios. E ainda mais importante para a população brasileira”, disse Arioldi.
Ex-prefeito do município gaúcho de Saldanha Marinho, Arioldi disse não ter recebido detalhes de Guedes sobre a versão da proposta a ser enviada ao presidente Jair Bolsonaro. Apenas disse que o ministro prometeu, depois da aprovação da reforma da Previdência, enviar uma proposta para descentralizar a distribuição de recursos para os municípios.
Assim como disse a membros da Frente Nacional dos Prefeitos no fim de janeiro, Guedes acenou com uma reforma que aumente para 60% a destinação dos tributos arrecadados para as prefeituras.
Atualmente, a União fica com 55% dos tributos arrecadados, contra 25% para os estados e 20% para os municípios. Segundo Arioldi, Guedes informou a intenção de destinar 60% da arrecadação aos municípios, 30% aos estados e apenas 10% com a União. O presidente da CNM disse que essa é uma meta de médio e longo prazo, mas ele defendeu a correção dos desequilíbrios na distribuição de recursos.
“Essa distribuição aproximaria o Brasil da gestão pública em outros países. A maior parte dos serviços públicos é prestada pelos municípios, mas hoje as prefeituras ficam com a menor fatia do bolo”, declarou o presidente da CNM. Ele disse que o ministro não prometeu nenhuma ajuda de curto prazo para as prefeituras.
Demandas municipalistas

Os presidentes das 27 entidades estaduais municipalistas, que integram o Conselho Político da Confederação, estiveram na reunião para corroborar os pleitos apresentados aos ministros. Além da nova previdência, outras 35 demandas também foram entregues a Guedes, divididas por cada secretaria do Ministério. Entre elas:
- novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb); 
- reforma tributária; 
- 1% do FPM de setembro; 
- Imposto Sobre Serviços (ISS); 
- Cessão onerosa; 
- Lei Kandir; 
- Programas Federais – Atualização/Federalização
“O orçamento da União tem atualmente 96% do dinheiro ‘carimbado’. E 30% do PIB brasileiro é para pagar funcionário e previdência. Chega, o Estado não aguenta mais. Estou vendo um aperfeiçoamento das instituições no Brasil e temos uma oportunidade de mudança extraordinária. E quem está perto do povo escutando é o mercado e o prefeito”, defendeu Guedes.

XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, a ser realizada entre 8 e 11 de abril com a participação de mais de sete mil pessoas, deverá ser um momento crucial para mobilizar os gestores, o governo e a população para os impactos positivos das novas regras na gestão local. Ao receber o convite para o evento, Terra e Guedes confirmaram a participação.
Com informações de Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil e Amanda Maia da Agência CNM de Notícias
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.