Bananal descarta mais um caso suspeito e começa a semana com apenas 2 e 27 descartados.


Após sobressaltos entre um domingo e outro, balanço ficou apenas com um caso suspeito a mais na cidade 

Da Redação, com informações da Agência Brasil e Governo de SP

Segundo o Boletim Epidemiológico deste domingo, 19 de abril, Bananal abre a semana descartando mais um caso suspeito. Agora com vinte e sete descartados, o quadro apresenta apenas duas suspeitas de infecção pelo novo coronavírus e seis isolamentos domiciliares sendo monitorados.

A situação se mostra estabilizada. No domingo passado era um caso suspeito e teve o salto em função da inclusão dos profissionais da saúde em contato com a médica plantonista que havia testado positivo para Covid-19. Depois ela testou negativo e nenhum dos incluídos na suspeita apresentou sintomas da doença.

Neste final de semana de efetiva implementação das máscaras de proteção no cotidiano da cidade, as autoridades locais e voluntários a postos no portal de entrada continuaram tendo problemas para barrar ciclistas e motociclistas que insistem em visitar a cidade. Alguns poucos oferecem resistência, mas a maioria aceita voltar para seus locais de origem sem entrar no centro histórico.

Na RM Vale, Taubaté confirmou a segunda morte pelo novo coronavírus; um idoso de 72 anos. A região abre esta terceira semana de abril com 14 mortes confirmadas pelas secretarias municipais de saúde no período de um mês. O número de casos chega a 263 confirmações.




Brasil

De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem 38.654 casos confirmados da doença e 2.462 mortes foram registradas. A taxa de letalidade continua em 6,4%. Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 2.055 novos casos e 110 mortes.
O número de recuperados não foi atualizado e permanece em 14.026, que representa cerca de 38% dos infectados. Os últimos dados sobre as pessoas curadas são de ontem (18), quando o número de casos confirmados estava em 36.599.
A Região Sudeste registra 21.285 (55,1%) casos confirmados da doença. Em seguida, aparecem as regiões Nordeste, com 9.300 (24,1%); Norte, com 3.691 (9,5%); Sul, com 2.816 (7,3%), e Centro-Oeste, com 1.562 (4%).

São Paulo ultrapassa mil mortes no estado

O Estado de São Paulo ultrapassou a marca de mil óbitos pelo novo coronaívus, após 32 dias da primeira confirmação de morte pela doença no país. Neste domingo (19), SP acumula 1.015 vítimas fatais da COVID-19.

Houve pelo menos um óbito em 93 cidades, com prevalência na Grande São Paulo. A Capital contabiliza 700 vítimas, seguida por Guarulhos (28), Osasco (27), São Bernardo do Campo (20) e Santo André (12). Fora da Região Metropolitana, o município que registra o maior número de mortes é Santos, com 19.

Hoje, são 5,6 mil pessoas em hospitais em virtude da doença (confirmados e suspeitos), sendo 3.279 em leitos de enfermaria e 2.345 em leitos de UTI.

O número de casos confirmados da doença chega a 14.267, distribuídos em 228 cidades do Estado. As mesmas seis cidades citadas acimas também detêm os maiores números de casos, com mais de 200 pessoas infectadas. São 9.668 em São Paulo; 308 em Guarulhos; 297 em São Bernardo; 293 em Santos; 269 em Osasco; e 247 em Santo André.

Perfis

Entre as vítimas fatais, estão 599 homens e 416 mulheres. Os óbitos continuam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 78,7% das mortes.

Observando faixas etárias subdividas a cada dez anos, nota-se que a mortalidade é maior entre 70 e 79 anos (269 do total), seguida por 60-69 anos (225) e 80-99 (218). Também faleceram 87 pessoas com mais de 90 anos. Fora desse grupo de idosos, há também alta mortalidade entre pessoas de 50 a 59 anos (114 do total), seguida pelas faixas de 40 a 49 (58), 30 a 39 (33), 20 a 29 (8) e 10 a 19 (3).

Os principais fatores de risco associados à mortalidade são cardiopatia (62,9% dos óbitos), diabetes mellitus (42,8%), pneumopatia (14,7%), doença neurológica (12,1%) e doença renal (10,7%). Outros fatores identificados são imunodepressão, obesidade, asma e doenças hematológica e doença hepática.

Esses fatores de risco foram identificados em 860 pessoas que faleceram por COVID-19 (84,7% do total), sendo que 703 delas eram idosas. Nas outras 155 vítimas, os serviços notificantes não informaram fatores de risco. Entre elas, 96 tinham mais de 60 anos; 42 estavam na faixa de 40 a 69 anos e outras 17 tinham entre 20 e 39 anos.

Embora a mortalidade seja maior entre idosos, são as pessoas com menos de 60 anos respondem pelo maior número de casos confirmados da doença. A principal faixa é de 30 a 39 anos, com 3.795 do total de casos, seguida por 40 a 49 (3.173) e 50 a 59 (2.209).

Entre jovens de 20 a 29 são 1.711 casos, seguidos por idosos de 60 a 69, com 1.452; 933 na faixa de 70 a 79; 571 entre 80 e 89; 182 com mais de 90; 113 de 10 a 19 anos. Também foram infectadas 70 crianças com menos de dez anos. Em 58 casos, os serviços notificantes não informaram a idade da pessoa.

* Atualizada às 23h44 para inserção de dados
  
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.