Santos perde na Vila, mas elimina LDU e continua na Libertadores

 

Flamengo cai para Racing, Athletico para River Plate e os dois brasileiros se despedem da competição

Por Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional

Apesar de perder por 1 a 0 para a LDU de Quito (Equador), nesta terça-feira (1), na Vila Belmiro, o Santos está classificado para as quartas de final da Libertadores. O Peixe se beneficiou da vitória por 2 a 1 no jogo de ida, na última terça-feira (24), na capital equatoriana. O confronto terminou empatado em 2 a 2 no placar agregado, mas o Alvinegro levou a melhor pelo critério de gols marcados fora de casa (dois contra um).

O Santos teve o controle do primeiro tempo, principalmente atacando pelo lado direito, mas não transformou a superioridade em gols. Na primeira meia hora, foram ao menos cinco boas oportunidades. Duas delas foram evitadas por Adrián Gabbarini. Aos 13, o goleiro da LDU parou o chute de fora da área do volante Diego Pituca. Aos 22, ele salvou o que seria um gol do atacante Kaio Jorge, com quem ficou cara a cara. Aos 28, o atacante Lucas Braga ainda cabeceou a bola no travessão.

Os equatorianos equilibraram as ações e voltaram melhores para a etapa final. O Santos inicialmente manteve a postura ofensiva, mas aos 19 minutos o meia Matías Zunino aproveitou o bate-rebate na área santista e colocou a LDU na frente. A equipe visitante se animou e tomou o controle da partida. O Alvinegro, por sua vez, recuou demais após o gol, tendo somente o atacante Marinho à frente. Aos 34, Zunino teve a bola do jogo, mas perdeu a chance debaixo da trave alvinegra.

Nos acréscimos, após uma disputa de bola na área santista, jogadores dos dois times brigaram asperamente. Após quase 10 minutos de paralisação, o árbitro Nestor Pitana recorreu ao árbitro de vídeo (VAR) para conferir os detalhes da briga. O zagueiro Luiz Felipe e o preparador Omar Feitosa (ambos do Santos) e o meia Lucas Villaruel, da LDU, foram expulsos, enquanto o goleiro John, do Peixe, levou cartão amarelo. O jogo foi encerrado na sequência das punições.

Nas quartas, os santistas aguardam quem se classificar entre Grêmio e Guaraní (Paraguai), que se enfrentam na quinta-feira (3), às 21h30 (horário de Brasília), em Porto Alegre. Os gaúchos ganharam o primeiro jogo, fora de casa, por 2 a 0. Caso o Tricolor avance, reeditaria com o Peixe a semifinal da Libertadores de 2007. Os gremistas, na ocasião, levaram a melhor após vencerem no extinto estádio Olímpico por 2 a 0 e perderem em Santos (SP) por 3 a 1, prosseguindo à final pelo gol fora de casa.

Racing elimina Flamengo nos pênaltis

O Flamengo se despediu da Copa Libertadores nesta terça-feira (1), após ser derrotado por 5 a 3 na disputa de pênaltis pelo Racing (Argentina) em pleno estádio do Maracanã no jogo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores. As equipes ficaram no 1 a 1 nos 90 minutos.

Após empate em 1 a 1 na partida de ida, realizada na última terça no estádio Presidente Perón, o Rubro-Negro tinha a vantagem de se classificar em caso de igualdade em 0 a 0, pois o gol fora de casa é critério de desempate nas competições organizadas pelo Conmebol.

Primeiro tempo do Flamengo

Mesmo com a possibilidade de avançar para as quartas de final com o empate sem gols, jogando em casa o Flamengo partiu para o ataque na etapa inicial. A estratégia adotada pelo técnico Rogério Ceni foi adiantar as linhas de sua equipe, pressionando a saída de bola dos argentinos e valorizando a posse de bola.

O resultado foi um Racing que pouco criou no primeiro tempo (teve apenas uma chance clara em contra-ataque) e um Flamengo que até criou, mas não conseguiu transformar as oportunidades em gols. E a principal delas surgiu aos 44 minutos, quando Arrascaeta lançou Vitinho, que ficou na cara do goleiro Arias, mas o camisa 11 bateu rasteiro para fora.

Expulsão de Rodrigo Caio

Na segunda etapa, o time argentino começou a sair mais para o jogo, pois precisava de uma vitória para avançar. Mas a partida começou a mudar de cara mais por um apagão do time brasileiro do que por mérito do Racing.

Havia muita expectativa em torno do retorno de Rodrigo Caio ao Flamengo, pois o zagueiro estava desde setembro afastado da equipe. Mas foi justamente em um lance do defensor que o gol do Racing saiu.

Aos 17 minutos Rodrigo Caio entra de forma dura em um adversário. Como resultado ele recebe o cartão amarelo, o problema é que ele já havia sido penalizado com outro amarelo na etapa inicial. Como resultado, ele é expulso por acumulação de penalizações.

Esta infração foi cobrada apenas dois minutos depois. O volante Leonel Miranda levantou a bola na área, o zagueiro Gustavo Henrique falhou ao tentar afastar, e Sigali aproveita a sobra para vencer o goleiro Diego Alves.

Pressão do Flamengo

Com um a menos, e a desvantagem no marcador, Rogério Ceni promove algumas mudanças para tornar sua equipe mais ofensiva, entre elas a entrada do artilheiro Pedro, que também retornava de lesão muscular.

Aos 35 o lateral chileno Isla levanta na área e Bruno Henrique cabeceia com muito perigo para defesa de Arias. E o goleiro do Racing volta a aparecer muito bem dois minutos depois, quando Willian Arão finaliza de cabeça após cobrança de escanteio de Vitinho.

Mas aos 47 da etapa final o Flamengo consegue o empate que garantia a disputa de pênaltis, Diego cobra escanteio para gol de cabeça de Willian Arão na primeira trave.

Disputa de pênaltis

Nos pênaltis, o Racing foi perfeito (com gols de Lisandro López, Rojas, Sigali, Alcaraz e Fabricio Domínguez), enquanto pelo Flamengo Filipe Luís, Gerson e Pedro marcam, e Willian Arão tem sua cobrança defendida pelo goleiro Arias. Vitória de 5 a 3 dos argentinos sobre o time da Gávea, que assim se despede da Libertadores.

Pênalti elimina Furacão

Recheado de desfalques (15), a maioria devido ao novo coronavírus (covid-19), o Athletico Paranaense lutou, mas foi derrotado pelo River Plate (Argentina) por 1 a 0 no estádio Libertadores da América, em Buenos Aires, e se despediu da competição nas oitavas de final. O duelo foi realizado na casa do também argentino Independiente porque o Monumental de Nuñez, do River, está em obras. No primeiro jogo, na Arena da Baixada, em Curitiba, há uma semana, as equipes ficaram no 1 a 1.

Apesar dos problemas na escalação, o Furacão fez um ótimo primeiro tempo, dividindo as ações ofensivas com o time da casa. Aos 16 minutos, o meia Erick teve a melhor chance rubro-negra, após desvio de cabeça do atacante Walter, mas ele bateu por cima, sozinho. O River, aos poucos, tomou o controle das ações, mas parou na trave e nas defesas de Bento. Substituto do titular Santos e do reserva Jandrei, o goleiro de 21 anos fazia apenas a terceira partida como profissional.

No segundo tempo, a equipe argentina colocou o Athletico nas cordas. Não fosse Bento, que fez pelo menos três boas defesas, o placar teria sido aberto mais cedo. Aos 35 minutos, não teve jeito. Após um pênalti cometido no atacante Rafael Borré, o meia Nícolas De La Cruz bateu e colocou o River à frente. Precisando do empate para ao menos forçar a disputa de penalidades, o Furacão tentou se lançar ao ataque, sem sucesso. O atual vice-campeão da América prossegue.

Na próxima fase, o River aguarda quem passar entre Nacional (Uruguai) e Independiente del Valle (Equador). No primeiro jogo, em Quito, as equipes ficaram no 0 a 0. O duelo de volta será nesta quarta, às 19h15, em Montevidéu, no estádio Parque Central.

Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.