Prazo dado por David Morais para Câmara desocupar prédio ou firmar locação expira em 15 de setembro.

Fac simile do penúltimo parágrafo do Oficio GAB nº 621/2011.

  O oficio GAB nº 621/2011, em que o prefeito David Morais solicita da Câmara Municipal a entrega do prédio no qual está instalada há mais de 30 anos tem efeito de notificação e dá prazo máximo de 30 dias para a desocupação ou o pagamento de aluguel.
  Como o documento foi protocolado na Câmara no dia 16 de agosto, o prazo expira no dia 15 de setembro.
  Cópias do ofício ganharam as ruas da cidade e o “despejo” da Câmara está se tornando o assunto do momento.
   A reação indignada do Presidente da Casa na sessão ordinária de quinta-feira, 18, chamando o prefeito de “moleque' por não manter o posicionamento de desistir da medida quando conversaram pessoalmente há cerca de 4 meses, reflete o clima de “pé-de-guerra” entre os poderes executivo e legislativo.

O 1º Ofício

   Na verdade, tudo começou no final de março quando o primeiro oficio do prefeito solicitando o prédio foi protocolado na Câmara.
   O ofício de nº 212, oriundo do Gabinete do Prefeito, já tinha o caráter de notificação em sua referência mas não estipulava prazo. Em suma, alegava que a atual sede administrativa não comportava todos os setores, obrigando a prefeitura a alugar imóveis, ocasionando despesas difíceis de arcar porque a municipalidade estaria atravessando dificuldades financeiras.
   Também alegou que o antigo prédio da Santa Casa será reformado com recursos da Secretaria Estadual de Turismo, obrigando os setores ali instalados a buscarem outras instalações.

Fac simile do 1º ofício reivindicando o prédio da Câmara, enviado em março deste ano.
O 2º Ofício

   A despeito do prefeito ter falado para o presidente da Câmara desconsiderar o primeiro aviso, o segundo oficio, enviado na semana passada, faz menções a ele. No parágrafo inicial o prefeito utiliza a palavra “novamente”, destacada em negrito, ao reivindicar o prédio. Em seguida, considera-o como 2ª Notificação, dando a entender que a Câmara teria ignorado o primeiro.
   Foi esse expediente dissimulado que revoltou o presidente da Câmara, que até então dava o episódio como encerrado.


    Há que se destacar que a menção a supostas obras no prédio da antiga Santa Casa não existe no 2º oficio, atendo-se a afirmar que “é grande o dispêndio de recursos com locação de prédios...”. No entanto, existe uma colocação que envolve a justiça eleitoral. O prefeito relata a intenção de atender pedido da Juíza da Comarca “no sentido de arcar com o aluguel para instalação do Cartório Eleitoral” fazendo necessária a devolução do prédio da Câmara “com extrema urgência”.


  No parágrafo seguinte vem a “possibilidade de pagamento de aluguel ao município” estipulando valor mínimo de R$ 5 mil, baseado, segundo o prefeito, “em pesquisa no mercado local”.
  Mesmo em se tratando de uma medida inusitada do prefeito David Morais, a assessoria juridica da Câmara foi acionada pelo Presidente Antônio Carlos Ramos da Silva (Godô) para defender o Poder Legislativo de Bananal.
  Confira abaixo a integra do oficio de duas páginas.


 




Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.