Com aterro sanitário inadequado Bananal tem opções em Resende e Barra Mansa para despejar lixo.


  Em meados de abril a CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) divulgou relatório classificando a destinação do lixo domiciliar nos 39 municípios da região tomando como base os dados coletados em 2011 por técnicos do órgão.

  O sistema de avaliação é baseado em escalas de notas de 0 a 10 e ranqueado em conceitos. O aterro sanitário é considerado adequado quando obtém notas entre 8,1 e 10. Entre 6,1 e 8 é avaliado como controlado e abaixo de 6 como inadequado.

  Somente a destinação do lixo em Bananal foi reprovada, na categoria inadequado. Em 34 cidades o serviço foi considerado adequado. Na categoria controlado ficaram 4 localidades.

  Em levantamento realizado em 2009 nenhuma cidade da região foi reprovada. Com destinação adequada constavam 30 municípios e nove estavam em situação controlada.

  Na época, Bananal obteve nota máxima, mas o aterro findou sua vida útil. Desde então a prefeitura passou a estudar uma parceria com Resende, através do Consórcio Cercanias, para, junto com outras 4 cidades, depositar seu lixo naquele município.

  No entanto, conforme o blog havia adiantado meses atrás, uma nova e mais acessível opção é a recém inaugurada CTR (Central de Tratamento de Resíduos) de Barra Mansa, situada no Km 07 da rodovia Rodrigo Drable (RJ-157), prolongamento da rodovia Álvaro Brasil Filho (SP-64) no lado fluminense.

  A inauguração ocorreu no dia 19 de abril em solenidade que contou com autoridades de várias cidades do estado do Rio. Bananal esteve representado no evento através do Presidente da Câmara Godô e da vereadora Lúcia Nader. Eles foram convidados pelo prefeito de Barra Mansa, Zé Renato, e pelo Secretário de Saúde daquele município, Wilton Neri Pereira, ex-prefeito de Bananal (1997-2000 e 2001-2004).

  Fruto de uma parceria público-privada entre a prefeitura e a empresa Haztec, o CTR Barra Mansa vai tratar todo o resíduo sólido advindo de cidades e empresas de forma ambientalmente correta, passando a fazer parte de um Programa do Governo estadual do Rio que subsidia o valor do peso do lixo. Dessa forma, a cidade, ao invés de pagar pelo lixo, passa a receber por ele.  

  O valor de R$ 30 milhões do projeto foi arcado pela Haztec, responsável por todo o serviço, numa concessão de 20 anos. Na parceria, a prefeitura ficou apenas comprometida a destinar as cem toneladas de lixo por dia à CTR. Pelo contrato, caso outra empresa ou prefeitura use o serviço, Barra Mansa receberá 6%. Assim, o gasto da prefeitura ficará quase nulo. A prefeitura de Volta Redonda já anunciou que vai utilizar o CTR de Barra Mansa.

  Segundo informações divulgadas, o valor a ser pago por tonelada será de R$ 22,85. Bananal costuma produzir cerca de 8 toneladas de resíduos por dia. Se o valor for confirmado, o gasto diário seria em torno de R$ 182,80. Mensalmente o custo sairia por R$ 5.484,00. Esse montante é inferior ao preço de aluguel pago pela área do aterro sanitário em Bananal. 

  E a prefeitura ainda ficaria livre de arcar com despesas de maquinário e manutenção do aterro.

                                                                         Foto: Paulo Dimas - Rádio do Comércio
CTR de Barra Mansa é mais próxima e ambientalmente correta.
 
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.