Estudo descarta efeitos das usinas de Angra sobre a saúde da população de Bananal e cidades vizinhas.



A proximidade de Bananal com as usinas nucleares de Angra dos Reis (raio inferior a 50 km), sempre motivou suspeitas e comparações atreladas ao índice de casos de câncer na cidade. Mesmo sem qualquer embasamento cientifico, o tema é recorrente junto a pacientes e familiares.

Reconhecendo que deve ser responsabilidade da empresa monitorar a saúde das cidades próximas a Angra, a Fundação Eletronuclear de Assistência Médica (Feam), através de seu Centro de Informações em Radioepidemiologia (Cira), realizou o estudo "Padrão da Mortalidade da População Circunvizinha à Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto - 1986 a 2007".

A análise foi centrada nas principais causas de óbitos de Angra dos Reis e outros 46 municípios vizinhos (Bananal entre eles), motivados por doenças relacionadas à exposição a radiação ionizante, como anomalias congênitas e câncer.

O resultado final mostrou que não houve alteração no perfil de mortalidade de Angra dos Reis, comparado aos outros municípios, concluindo que morar próximo à usina nuclear não interfere nos óbitos observados por neoplasias e malformações congênitas".

A metodologia aplicada ao estudo seguiu padrões internacionais e duas outras pesquisas epidemiológicas nacionais efetuadas em anos anteriores, dentre as quais uma da FIOCRUZ (Fundação Osvaldo Cruz).

O perímetro analisado engloba 47 municipios paulistas, fluminenses e mineiros definidos a partir da distância da possível fonte de exposição. Um parâmetro universalmente utilizado pelos diversos órgãos de segurança nuclear como área alvo de planos de emergência, na eventualidade de um acidente nuclear.

Classificando Angra dos Reis como Área de Influência Direta por estar a 30 kms das instalações nucleares, o estudo estratificou dois outros grupos de municípios da mesma região geográfica.

Bananal integra a Área de Influência Indireta, juntamente com outros 5 municipios cujas sedes estão localizadas no raio de 30 km a 50 km da fonte radioativa: Arapeí, São José do Barreiro, Rio Claro, Paraty e Mangaratiba.

Considerados na Área de Controle, a uma distância de 50 km a 100 km da fonte radioativa e fora da área de influência da Central Nuclear estão outros 40 municípios dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Na Área de Controle 1, estão as cidades de  Areias, Silveiras, Queluz, Lavrinhas, Cruzeiro, Cachoeira Paulista, Canas, Lorena, Guaratinguetá, Cunha, Roseira, Aparecida, Potim, São Luis do Paraitinga, Ubatuba, Alagoa, Barra do Piraí, Barra Mansa, Bocaina de Minas, Engenheiro Paulo de Frontin, Itaguai, Itamonte, Itanhandu, Itatiaia, Japeri, Lagoinha Marmelópolis, Mendes, Paracambi, Passa Quatro, Passa Vinte, Pinheiral, Piquete, Piraí, Porto Real, Quatis, Resende, Seropédica, Virgínia e Volta Redonda. Como Área de Controle 2 está o município de Cabo Frio.

Nas 88 páginas do estudo são disponibilizados dezenas de gráficos e estatísticas de doenças e mortalidades, separadas por áreas, sexo, faixas etárias e períodos.

Bananal é diretamente mencionado na análise da taxa de mortalidade por neoplasia (página 26) efetuada entre 1986 e 1990. “Na Área de Influência Indireta, a maior taxa observada ocorreu no município de Bananal com taxa de 78 e São José do Barreiro com taxa de 73 óbitos por neoplasias. Cabo Frio apresentou taxa média de 73 óbitos e Angra dos Reis, taxa de 61 óbitos de mortalidade por neoplasias por 100.000”.

Na página seguinte, em análise da taxa bruta do mesmo item, padronizada pela população do estado do Rio, outra menção: “(...) Na Área de Influência Indireta, a maior taxa observada ocorre no município de Mangaratiba, com taxa de 75 e Bananal com taxa de 71 óbitos por neoplasias. Cabo Frio apresentou taxa média de 107 óbitos e Angra dos Reis, taxa de 91 óbitos de mortalidade por neoplasias por 100.000 habitantes”.

No período de 1991 a 1995 o município continua entre as maiores taxas: “(...) Na Área de Influência Indireta, o município de Rio Claro apresentou taxa de 87 óbitos no período, Bananal de 76 óbitos e 71 óbitos em Mangaratiba. Angra dos Reis apresentou taxa média de 70 óbitos e Cabo Frio taxa média de 73 óbitos por 100.000 habitantes, no período”. Na taxa bruta deste item Bananal deixou de constar entre os municípios com maior incidência, dando lugar a Rio Claro e Paraty.

Na análise entre 1996 e 2000 Bananal ficou com o segundo maior índice na mortalidade por neoplasia (taxa 86) e na taxa bruta (85 óbitos).

No período de 2001 a 2007 Bananal deixou de constar entre os maiores índices de óbito, dando lugar a São José do Barreiro que passou a ter o 2º maior índice entre os municípios da Área de Influência Indireta.

Na conclusão do trabalho são apontados diversos fatores que condicionam seus resultados às características de cada cidade e o modo de viver de seus cidadãos.

Logo após a constatação de que não há maiores riscos em se morar próximo às usinas o estudo faz uma ressalva: “... Entretanto, o poder de análise de um estudo ecológico pode apenas indicar problemas que necessitam de uma verificação mais detalhada, já que a metodologia do estudo não tem necessariamente um caráter conclusivo com evidenciação de nexo de causalidade.”

Diante disso, o documento é encerrado com algumas recomendações, dentre as quais a de se manter o monitoramento da mortalidade nas áreas de influência da Central Nuclear, o aprimoramento da metodologia deste estudo, passar a utilizar a dose efetiva de radiação como indicador de exposição, incorporação de outros fatores de morbidade e utilização de técnicas de Geoprocessamento para ampliar a capacidade cientifica de compreensão dos efeitos da radiação ionizante sobre a saúde da população.

O Blog disponibiliza abaixo um link para a integra do estudo e também um vídeo levado ao ar no ano passado pela TV Bandeirantes, quando ocorreu o acidente da usina de Fukushima no Japão, retratando os efeitos da radiação sobre o organismo humano.

Padrão da Mortalidade da População Circunvizinha à Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto - 1986 a2007.




Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.