Justiça confirma nulidade do julgamento das contas de Mirian Bruno.


  Sentença proferida pela Juiza da Comarca de Bananal julgou procedente o pedido de Mirian Bruno e declarou a nulidade da forma como tramitou, na Câmara Municipal, o julgamento de suas contas. 

  A juíza entendeu que foram violados os princípios do contraditório e ampla defesa assegurados pela justiça, ou seja, não foi dado a Mirian Bruno a chance de se defender perante os vereadores. O julgamento foi realizado pela Câmara em 2009 e referendou pareceres desfavoráveis emitidos pelo Tribunal de Contas do Estado.

  A decisão anula os decretos legislativos que declaravam a rejeição das contas relativas aos exercícios financeiros de 2007 e 2008, ainda no 1º mandato da atual prefeita de Bananal.

  A reprovação das contas foi alvo de outros processos, na esfera civel e eleitoral, incluindo outra medida adotada pela Câmara, logo após as eleições municipais do ano passado, para acelerar o julgamento e tentar evitar que a então prefeita eleita fosse diplomada e tomasse posse. Neste caso a juiza julgou que a medida tinha cunho eleitoral e também deu ganho de causa a Mirian Bruno.

  Ante a confirmação da sentença favorável, o julgamento das contas de 2007 e 2008 da prefeita será "zerado" e obedecerá novo rito, com os procedimentos administrativos adotados desde o início, conforme determina o Regimento Interno da Câmara e a legislação federal.

A íntegra da sentença está reproduzida abaixo:


SENTENÇA: Mirian Ferreira de Oliveira Bruno ajuizou ação declaratória de nulidade de ato administrativo contra Câmara Municipal da Estância Turística de Bananal/SP, alegando, em síntese, que foi eleita prefeita municipal desta cidade e comarca de Bananal/SP, exercendo seu mandato entre 2005 e 2008. Alegou, ainda, que em decorrência do exercício do mandato eletivo, prestou contas da Prefeitura Municipal de Bananal ao órgão competente, sendo que tais contas foram analisadas pelo Tribunal de Contas do Estado e posteriormente remetidas à Câmara Municipal local para apreciação. Asseverou que as contas dos exercícios de 2005 e 2006 restaram aprovadas, nos termos dos respectivos pareceres da Comissão Permanente de Orçamento, Finanças e Contabilidade da aludida Assembleia Municipal, sendo que as contas dos exercícios de 2007 e 2008 restaram reprovadas, respectivamente, pelos Decretos Legislativos nº 004 de 02 de junho de 2011 e nº 001 de 03 de março de 2011. Asseverou, ainda, que as contas dos exercícios de 2007 e 2008 foram também analisadas pela Comissão Permanente de Orçamento, Finanças e Contabilidade da Câmara Municipal, a qual, mediante parecer prévio, submeteu à votação, em sessão única da Câmara, os mencionados projetos de Decreto Legislativo, os quais acabaram sendo aprovados e promulgados. Narrou que o procedimento interno adotado pela Câmara Municipal para análise e julgamento das contas, mediante expedição de Decreto Legislativo, se deu em curto espaço de tempo, não observando o regramento constitucional que garante o exercício do contraditório e da ampla defesa, violando, pois, o direito de defesa da requerente, que sequer foi notificada para se. Ao final, requereu a procedência do pedido para que seja declarada a nulidade dos atos administrativos praticados pela Câmara de Vereadores referentes à análise e julgamento das contas prestadas pela autora dos exercícios de 2007 e 2008, bem como dos respectivos Decretos Legislativos 01/2011 e 04/2011, promulgados e publicados, efetuando-se as devidas retificações na Secretaria Administrativa da Câmara Municipal. Requereu, ainda, a condenação da ré às verbas decorrentes da sucumbência. Juntou documentos a fls. 12/70. Emenda à inicial, fls. 72/73, oportunidade em que foram juntados documentos, fls. 74/79. Devidamente citada, a parte ré apresentou contestação a fls. 83/89, oportunidade em que sustentou que o Regimento Interno da Câmara Municipal, ao disciplinar o rito atinente ao julgamento das contas do Prefeito, não faz expressa menção quanto à obrigatoriedade de prévia notificação do Chefe do Poder Executivo para acompanhar o julgamento das contas perante a Comuna, uma vez recebidos processos do Tribunal de Contas, com os respectivos pareceres prévios a respeito da aprovação ou rejeição das contas. Sustentou, ainda, que em simetria com o sistema constitucional, o citado Regimento prevê que o parecer do Tribunal de Contas somente poderá ser rejeitado por decisão de 2/3 (dois terços) dos membros da Câmara, o que foi plenamente observado no caso dos autos. Argumentou existir divergência jurisprudencial e doutrinária acerca da obrigatoriedade ou não da aplicabilidade do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório no julgamento realizado no âmbito Legislativo das contas municipais. Argumentou, ainda, que os princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório ficam restritos ao procedimento administrativo perante o Egrégio Tribunal de Contas, que funciona como auxiliar do Poder Legislativo local, o qual promove o controle externo do Poder Executivo Municipal. Asseverou que a Câmara Municipal somente aprecia as contas do Chefe do Executivo, deliberando e emitindo decreto de aprovação ou de rejeição de contas, pois se trata de atribuição fiscalizadora e controle externo da execução orçamentária, não se tratando de julgamento do Prefeito, mas apenas de fiscalização. Ao final, requereu a improcedência do pedido, com a condenação da autora às verbas decorrentes da sucumbência. Juntou documentos a fls. 90/92. A autora, fls. 94/95, requereu a antecipação dos efeitos da tutela para suspender os efeitos das decisões e dos Decretos Legislativos expedidos pela Câmara Municipal de Bananal, no julgamento das contas de 2006, 2007 e 2008 da autora. Juntou documentos a fls. 96/101. Especificação de provas a fls. 106-A e 107/109. Comunicação de interposição de agravo de instrumento, fls. 115/127. Decisão saneadora, fls. 129. Manifestação da requerida, fls. 133/135, pela procedência do pedido, oportunidade em que juntou documentos a fls. 136/141. Principais peças do agravo, fls. 119/151. Durante a audiência de instrução e julgamento, fls. 152, as partes reiteraram as manifestações anteriores. É o relatório. Fundamento e decido. De acordo com os documentos de fls. 26/49, a Câmara Municipal manteve os pareceres do Tribunal de Contas do Estado, os quais rejeitaram as contas do Município referentes aos anos de 2007 e 2008, insurgindo-se a autora contra os decretos legislativos, pois não lhe foi assegurado direito ao contraditório e à ampla defesa. A ré, a seu turno, sustentou ter seguido o regramento legal sobre a matéria, não havendo previsão para a concessão de direito de defesa no procedimento que culmina com a edição do decreto legislativo sobre o julgamento das contas do Executivo pelo Legislativo Municipal. Sendo assim, é incontroverso que, nos procedimentos da Câmara para apreciação dos pareceres do Tribunal de Contas, não foi aberta à autora a oportunidade de defesa. Destarte, é flagrante a violação do artigo 5º, LV da Constituição da República, que determina o cumprimento do contraditório e da ampla defesa também em processos administrativos. Neste sentido, os d. julgados que se seguem (grifei): “0001224-19.2012.8.26.0368  Apelação   Relator(a): Luis Ganzerla Comarca: Monte Alto Órgão julgador: 11ª Câmara de Direito Público Data do julgamento: 28/05/2013 Data de registro: 29/05/2013 Outros números: 12241920128260368 Ementa: EX-PREFEITO Ação declaratória de desconstituição por nulidade do Decreto Legislativo de rejeição de contas públicas municipais do ano de 2007 Falta de contraditório e ampla defesa Necessidade de observância, mesmo se ausente a previsão no Regimento Interno da Câmara Municipal - Sentença de improcedência reformada Recurso provido - No julgamento de verificação de contas de alcaide, pela Câmara Municipal, mesmo após parecer do Tribunal de Contas, deve-se observar os direitos de ampla defesa e contraditório, pena de nulidade, pois trata-se de ato político-administrativo.” “0004040-17.2011.8.26.0268   Apelação   Relator(a): Ferreira Rodrigues Comarca: Itapecerica da Serra Órgão julgador: 4ª Câmara de Direito Público Data do julgamento: 11/03/2013 Data de registro: 22/03/2013 Outros números: 40401720118260268 Ementa: Ato legislativo - Rejeição de contas de prefeito municipal Ato que não observou na Câmara o direito ao contraditório e à ampla defesa Art. 5º, inciso LV, da Constituição Federal Inadmissibilidade Nulidade reconhecida Recurso desprovido.” Do exposto, JULGO PROCEDENTE o pedido para declarar a nulidade dos procedimentos administrativos que tramitaram na Câmara e dos decretos legislativos 01/2011 e 04/2011, a eles correspondentes, por violação dos princípios do contraditório e da ampla defesa. Outrossim, julgo extinto o feito, com base no artigo 269, I do Código de Processo Civil. Condeno a parte vencida a ressarcir à autora a taxa judiciária, demais despesas processuais e ao pagamento de honorários advocatícios que fixo, nos termos do artigo 20, parágrafo 4º do CPC em R$ 1.000,00 (mil reais). P.R.I.C. Bananal, 13 de junho de 2013 Maria Isabella Carvalhal Esposito Juíza de Direito
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.