PM Ambiental realizou ‘Operação Meio Ambiente Mais Seguro’


Iniciativa é realizada em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, com foco na proteção dos recursos naturais

Com informações do Governo de SP

Na sexta-feira (5), celebrou-se o Dia Mundial do Meio Ambiente, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1972. A data tem objetivo de colocar em foco os problemas ambientais e a importância da preservação dos recursos naturais.
Em 2020, o tema debatido referiu-se à expressão “Pela Natureza”, definida pela ONU para dedicar e evidenciar questões ligadas a biodiversidade como forma de vida na terra. Trabalhando a temática, a Polícia Militar Ambiental do Estado de São Paulo está realizando a “Operação Meio Ambiente Mais Seguro”.
A ação, que teve início na quinta-feira (4) e foi até a noite de sexta-feira (5), contou com mais de 1,3 mil policiais militares, 450 viaturas terrestres e 40 náuticas, distribuídas nas unidades operacionais de São Paulo.
A operação teve como foco desenvolver o policiamento ambiental voltado à proteção dos recursos naturais, combatendo ainda mais ocorrências de queimadas, pesca predatória, desmatamento, garimpagem, caça e tráfico de animais silvestres, além do tráfico de drogas e o porte de arma de fogo ilegal.
Preservação
O Policiamento Ambiental é uma das unidades especializadas da Polícia Militar. Sendo responsável por garantir o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado para toda a população, da presente e das futuras gerações.
Formada por mais de 2,1 mil policiais, a PM Ambiental atua realizando ações de prevenção, repressão e educação com foco no meio ambiente em todo o Estado, resultando em aproximadamente 46,4 mil intervenções somente neste ano.
“A presença estatal ocorre por meio do policiamento ostensivo terrestre, náutico, marítimo e aéreo, com apoio de drone, monitoramento por satélite, inteligência policial e integração com outros órgãos, mas, especialmente, com a atuação de policiais militares que diuturnamente postam-se em defesa dessa nobre missão.”, destaca o comandante coronel PM Paulo Augusto Leite Motooka.
O trabalho operacional desenvolvido pelo Policiamento Ambiental, de janeiro a maio deste ano, resultou na apreensão de 69,2 toneladas de pescados da pesca ilegal, resgate de mais de 7,2 mil animais – mantidos em cativeiro ou em situação de maus-tratos –, 6,7 mil armadilhas localizadas, 355 armas aprendidas, além de 17 balões inteiros, 406 partes e materiais usados para a confecção clandestina.
Desmatamento
Outro fator que comprova a produtividade da unidade é o dado consolidado pelo Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica (2018-2019), que revela uma queda de 55% no desmatamento na região do estado de São Paulo.
“Pela magnitude das ações humanas é que o Policiamento Ambiental do Estado de São Paulo reforça o compromisso de bem servir os brasileiros de São Paulo, sobretudo “pela Defesa da Vida, da Integridade Física e da Dignidade da Pessoa Humana” priorizando a Segurança e Ordem Pública, e o Meio Ambiente ecologicamente equilibrado.”, conclui o comandante.

Operação Corta-Fogo
O Governo do Estado realiza anualmente a “Operação Corta-Fogo”, com objetivo de prevenir e combater incêndios florestais, que causam impactos negativos para a flora, fauna e população.
Entre os meses de junho a outubro, as ações são intensificadas devido ao período de estiagem, que aumentam este tipo de ocorrência. Denominada “fase vermelha”, o período tem como foco combater o fogo e a fiscalização repressiva, além da realização de campanhas preventivas.
“Um incêndio florestal é prejudicial sob todos os pontos de vista. Além de causar sérios danos para a fauna e a flora, poder gerar acidentes automobilísticos e prejudicar a qualidade do ar que respiramos”, lembra o diretor-geral do Instituto Florestal, Luis Alberto Bucci.
A ação é coordenada pela Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), com apoio do Policiamento Ambiental e do Corpo de Bombeiros, ambos subordinados a Polícia Militar, além da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil (CEPDEC), Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), a Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo (FF) e o Instituto Florestal (IF).
Como resultado da operação, no ano de 2019 houve uma redução de 18% no número de ocorrências e de 16% na área afetada, em comparação ao ano anterior.

Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.