Blecaute do dia 26 não dependia de atuações da Elektro.

Bananal voltou a ficar às escuras por volta da 22:15 horas da última quarta-feira, 26 de janeiro. 
Aos clientes que ligaram para a central de atendimento da Elektro, os atendentes informavam que suas equipes já estavam em campo para solucionar o problema, com previsão de restabelecimento da energia às 23 horas. O blog teve ciência de que para pelo menos um dos clientes a atendente alegou não ter número de protocolo para formalizar a reclamação devido a uma “falha no sistema”.
Apesar da previsão otimista, a energia levou mais de duas horas para voltar. Ainda assim com oscilações, já que as lâmpadas piscavam, dando a impressão (para nós leigos) de que a religação estava na voltagem errada. Por volta das 3 da manhã houve nova interrupção que durou alguns minutos.
O mais relevante, contudo, foi que os milhares de bananalenses ficaram sem saber que a solução do problema não dependia da Elektro, mas sim de Furnas.
     Assim como nós, a Elektro teria de aguardar, passivamente, a resolução do apagão.
O blecaute ocorreu devido à falha em um transformador de corrente da Subestação de Funil, em Resende, provocando o desarme das linhas de transmissão.
A informação veio pela assessoria da Eletrobrás Furnas.
O problema foi resolvido por um sistema de proteção que eliminou a falha e restabeleceu o fornecimento de energia. A causa está sendo investigada por Furnas.
Além de Arapeí e Bananal também foram atingidos os municípios do Sul Fluminense atendidos pelas concessionárias Light e Ampla: Resende, Barra Mansa, Quatis, Itatiaia, Porto Real e alguns bairros de Volta Redonda, Pinheiral, Barra do Piraí e Rio Claro.
Em Volta Redonda o apagão durou pouco mais de cinco minutos. Em Barra Mansa, houve bairros que ficaram cinco minutos e outros 40 minutos às escuras. Já em Resende, Porto Real e Itatiaia a energia foi restabelecida uma hora depois.
A distribuição de energia para Bananal vem de Resende, passando por Arapeí. Para atender os dois municípios, a Elektro compra energia de distribuidoras instaladas no estado fluminense. Essa é uma das cogitações que implicam na sequência de blecautes em Bananal. Para muitos usuários, o município fica em segundo plano nas horas críticas.
Este caso não deixa de ser intrigante e até sintomático. 
     Se a energia foi restabelecida em Resende uma hora depois do blecaute, porque ela demorou outros 60 minutos para voltar em Bananal?
     E por que ela voltou a cair durante a madrugada, já que isso não ocorreu nas demais cidades afetadas?      
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.