Confecção de tapetes do Corpus Christi inicia logo cedo.

  A concentração de fiéis voluntários para a ornamentação das ruas do centro histórico de Bananal para a procissão de Corpus Christi inicia-se logo nas primeiras horas da manhã.

  Conforme a extensão e a complexidade dos tapetes ornamentais de rua assumidos pelos voluntários é estabelecido o horário de início dos trabalhos.

  O Setor Juventude da Paróquia, por exemplo, incumbido de enfeitar o trecho principal da Manoel da Aguiar (entre a Ultragás e a Matriz) se concentrará no coreto às 7 horas da manhã. Para outros voluntários, as atividades começam bem mais cedo.

  A logística e a maior parte do material utilizado ficam estocados no pátio do Solar Aguiar Valim. Em outros pontos, boa parte fica estocada nas próprias casas dos fiéis. Destes locais saem a matéria prima para as verdadeiras obras de arte, pintadas sobre os paralelepípedos com temáticas religiosas e simbolos que refletem a devoção desta data festejada pelos católicos em louvor à hóstia consagrada.  

  Os tapetes ornamentais em Bananal já são uma tradição quase secular. Embora não existam registros oficiais, estima-se que os primeiros enfeites, predominantemente de folhagens, tenham sido confeccionados entre o final da década de 20 e o início da década de 30. 

  Em meados dos anos 50, a professora Doralice Costa (Dona Dora) inovou com o primeiro tapete temático ornamental (uma imagem de Nossa Senhora em frente à Igreja do Rosário), estabelecendo um novo parâmetro de arte para a celebração. Foi quando as folhagens começaram a dar lugar aos tapetes com desenhos belíssimos à base de serragem, pó de café, areia colorida e sal grosso, além de tampinhas envoltas em papel laminado.  (clique aqui para ler mais sobre o trabalho de Dona Dora).

  Normalmente a execução dos trabalhos leva cerca de 8 horas, num misto de capricho e celeridade para que tudo fique pronto para a procissão no final da tarde.

  A celebração de Corpus Christi (Corpo de Cristo) vem desde a Idade Média e acontece quarenta dias depois do Domingo de Páscoa. É a quinta-feira da Ascensão do Senhor. Foi instituída pelo Papa Urbano IV, no ano 1274, após o famoso milagre de Lanciano. Naquela cidade italiana um sacerdote duvidou que a hóstia consagrada tivesse mesmo se transubstanciado no Corpo e no Sangue de Cristo. Imediatamente a hóstia, nas suas mãos, transformou-se em um pedaço de carne e sangrou.

  A data é comemorada no Brasil desde a chegada dos portugueses, que mantiveram uma tradição consolidada na região dos Açores.
Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.