Chuva com 32 mm de volume em menos de 2 horas cai sobre Bananal provocando enxurradas e alagamentos


Uma chuva torrencial, de 32 mm segundo o Cemaden - Estações Pluviométricas, caiu por cerca de 1 hora e 40 minutos na área territorial de Bananal na tarde/noite da segunda-feira, 17 de fevereiro. O volume de chuva foi maior que o previsto pela meteorologia e a tempestade provocou forte enxurrada no sertão do Rodriguinho e alagamentos na Vila Bom Jardim. Também ocasionou queda de barreira e empoçamento de água que obstruíram as rodovias SP-64 e RJ-157, que interligam Bananal e Barra Mansa pelo bairro Cotiara. No final da noite, os motoristas tiveram que utilizar a antiga Rio-São Paulo (SP-68), via Rancho Grande, para chegar até Bananal.

As consequências da chuva volumosa foram captadas em vários registros por vídeo e compartilhados pelas redes sociais.

A enxurrada do rio na serra do Rodriguinho impressionou pela força e volume da água, motivando até a especulação de ter ocorrido uma tromba d´água no município. As imagens alarmaram pessoas não só em Bananal, mas também em Barra Mansa.



Na Vila Bom Jardim, a grande quantidade de água proveniente dos morros desceu em enxurrada pelas ruas do entorno da Praça São Pedro, alagando logradouros próximos. A poucos metros dali, a ponte sobre o rio Turvo, localizada na rua Octaviano Vani (popularmente conhecida como rua da Irmã Ondina) foi encoberta pelas águas. O alagamento na área dificultou o tráfego de veículos nas duas vias. Alguns motoristas se arriscaram passando com o nível da água próximo ao das portas dos veículos.

Poucas horas depois o nível das águas baixou e a normalidade retornou ao bairro.

Na área urbana o rio Bananal chegou a aumentar de volume, mas ficou longe do nível do transbordo. Uma elevação comum na maioria das chuvas volumosas.

No entanto, o rio teve um aumento súbito em direção a Barra Mansa devido a uma nova chuva forte entre os dois municípios. Às 23h58, a estação de medição do Inea, em Rialto, detectou forte elevação do rio Bananal, chegando a 4.5 metros. A sua cota de atenção é de 5.36 metros naquela estação. O nível de transbordo é de 6.7 metros. Novo boletim emitido pelo Monitoramento Climático Fluminense à 1h30 desta terça-feira (18), informou que o nível havia baixado na estação, mas era maior entre os bairros Colônia e Vila Maria devido ao transbordamento do córrego da Bocaininha, que deságua no rio Bananal. No município vizinho, vários bairros voltaram a sofrer com alagamentos após mais um transbordamento do rio Barra Mansa.   

Um novo alagamento de pista ocorreu na rodovia Álvaro Brasil Filho (SP-64), na ponte da localidade conhecida popularmente como "Fazendinha". No Km 04 da RJ-157, segundo relatos, os veículos ficaram presos devido a uma camada de lama sobre a pista, obstruindo a passagem e engavetando o trânsito. Para chegar a Bananal, os motoristas tiveram que voltar até a Dutra e utilizar a antiga Rio-São Paulo, passando por Rancho Grande.

Por volta das 19 horas, o internauta Nelson Santiago reportou em rede social a situação crítica no local.


Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.