Juiz de Bananal indefere pedido de liminar e mantém resultado da licitação para a organização do Carnaval 2020


Foi proferida no início da noite desta quarta-feira (19) a decisão do Juízo de Bananal sobre o pedido liminar impetrado pela empresa segunda colocada no processo licitatório para a organização do Carnaval 2020. O Juiz Daniel Calafate Brito indeferiu o pedido e manteve o resultado do certame, conduzido pela prefeitura municipal.

No pedido liminar, a empresa derrotada aduziu irregularidades no pregão presencial, baseando-se nos seguintes pontos:

1 - o vencedor do certame não apresentou comprovação de capacidade técnica e econômica exigidas no edital; 
2 - que por ser o vencedor um MEI há a impossibilidade de contratar funcionários e tem valor de faturamento limitado a R$ 81.000,00 (oitenta e um mil reais) para o ano de 2020; 
3 - que não houve a apresentação da inscrição na Junta Comercial; 
4 - que em relação à atividade desempenhada não há registro no CREA.

O Magistrado considerou que os argumentos invocados não foram suficientes para afastar a presunção de legalidade e veracidade dos atos administrativos praticados pela prefeitura. Na decisão o Juiz analisou item por item:

"1 - Em relação à alegação de ausência de comprovação de capacidade técnica e econômica, aponto que não houve a exigência de capital social mínimo no edital, bem como há nos autos atestado de capacidade técnica emitido pelo Município, havendo portanto a presunção de veracidade e legalidade do ato administrativo de admissão - fls. 329. Não cabe ao Poder Judiciário, ainda mais em sede liminar, se imiscuir na discricionariedade técnica do ente que promove o procedimento licitatório;

2 - No que toca à alegação de superação do orçamento anula do MEI, ainda que de fato haja tal excesso, ante o próprio valor do contrato, trata-se de questão de cunho meramente tributário. Isso porque o escopo da criação do MEI foi promover o empreendedorismo nacional, não havendo qualquer irregularidade na participação do microempreendedor individual, que no exercício subsequente, no entanto, será reenquadrado pelo Fisco;

3 - No que se refere à inscrição na Junta Comercial, a Resolução 48 de 11 de outubro de 2018, que dispõe sobre o procedimento especial para o registro e legalização do MEI, nos art. 41 e 42, preveem o certificado de condição de microempreendedor (CCMEI) que será informado, sem necessidade de comportamento do MEI, às Juntas Comerciais. Logo, não há necessidade de encaminhar nenhum documento à Junta Comercial; 

4 - Por fim, no que toca à apontada ausência de registro no CREA, trata-se de exigência não prevista no Edital, não cabendo ao Poder Judiciário, ainda mais em sede liminar, se imiscuir na discricionariedade técnica do ente que promove o procedimento licitatório." 

Nessa linha, o Juiz Daniel Calafate Brito indeferiu o pedido liminar, ficando pendente o parecer do Ministério Público antes dos autos ficarem conclusos para a sentença.

A ESTRUTURA DO CARNAVAL

O lote colocado na licitação referente à estrutura, incluindo a sonorização, foi estipulado pela prefeitura no valor global de R$ 89.106,67. A proposta vencedora, da empresa de eventos Dirceu Pacielo Cardoso Neto, foi de R$ 80.950,00.

Os itens englobados pelo lote são:

- 1 Trio Elétrico (2 dias); 
- 1 DJ Locutor (4 dias); 
- 1 Sistema de Som de Linha (4 dias);
- 1 Gerador Trifásico (4 dias);
- 30 unidades de grades de contenção (4 dias);
- 1 Tenda 20x20 metros para a Praça Rubião Júnior (4 dias);
- 1 Banda para as Matinês (2 dias)


Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.