TSE autoriza convenções partidárias virtuais para eleição deste ano


Período de 20 de julho a 05 de agosto do calendário eleitoral foi mantido. Partidos terão liberdade para estabelecer regras e procedimentos

Da Redação, com informações de Felipe Pontes, da Agência Brasil

O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou hoje (4), por unanimidade, a realização de modo virtual das convenções partidárias para a escolha dos candidatos nas eleições municipais deste ano, tendo em vista as recomendações de distanciamento social durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19).
Pela decisão, ficou estabelecido que os partidos têm liberdade de estabelecer regras e escolher os procedimentos para a realização das convenções virtuais, desde que garantam ampla publicidade a todos os filiados e atendam a todas exigências da legislação eleitoral já em vigor.
A flexibilização foi autorizada em resposta a duas consultas feitas por deputados federais e a uma terceira feita pelo partido Republicanos.
"No meu modo de ver, negar a adoção desse formato virtual no momento atual seria ignorar a realidade enfrentada no combate à doença. Na seara específica do processo eleitoral, seria inviabilizar essa etapa imprescindível à realização de eleições democráticas e transparentes", disse o relator das consultas, ministro Luis Felipe Salomão, que foi acompanhado por todos os outros seis ministros que compõem o TSE.
O tribunal formará um grupo de trabalho para estabelecer regras de envio virtual dos resultados das convenções para a Justiça Eleitoral. Uma norma sobre o tema deve ser votada ainda neste mês, segundo o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso.
De acordo com a legislação eleitoral, as convenções, obrigatórias para a escolha dos candidatos, devem ser realizadas por todos os partidos entre 20 de julho e 5 de agosto. No mesmo julgamento desta quinta-feira (4), o TSE reafirmou que não pode alterar tais datas sem prévia autorização do Congresso.

A decisão era aguardada pelos partidos porque as convenções praticamente representam o início das campanhas eleitorais. Os candidatos a prefeitos e vereadores precisam ser formalmente escolhidos em convenções partidárias para serem registrados no cartório eleitoral e ficarem habilitados a sair em campanha de forma oficial.

A tendência é que em municípios de menor porte, como Bananal e demais localidades do extremo leste do Vale Histórico, os diretórios e comissões provisórias das siglas partidárias aguardem instruções dos Diretórios Nacional e Estadual para atenderem as mudanças que certamente ocorrerão nos procedimentos eleitorais.  

Adiamento das Eleições

Embora o TSE já tenha informado que tentará manter os prazos previamente estabelecidos do cronograma das Eleições Municipais de 2020, a pandemia de Covid-19 deve adiar o pleito eleitoral, marcado para outubro.

Ao assumir a Presidência do TSE no mês passado, o Ministro Luiz Roberto Barroso declarou que a prioridade é atender as recomendações sanitárias e não oferecer qualquer risco à saúde da população.

“Nossa maior preocupação é com a saúde da população. Se não houver condições de segurança para realizar as eleições, como conversamos [ministros do TSE] em reunião informal e administrativa, nós evidentemente teremos que considerar o adiamento pelo prazo mínimo indispensável para que possam realizar-se com segurança.”, disse o ministro.
Na ocasião, Barroso disse que o TSE não apoia o adiamento das eleições municipais para 2022, quando terá eleição para presidente da República e governadores.
“Conforme pude conversar com cada um os nossos colegas, não apoiamos o cancelamento de eleições [de 2020] para que venha a coincidir com 2022. Nós consideramos que as eleições são um rito vital para a democracia, portanto, assim que as condições de saúde permitirem, nós devemos realizar as eleições”.
Qualquer mudança no calendário eleitoral depende, entretanto, de aprovação do Congresso, lembrou Barroso. Ele disse que a Justiça Eleitoral mantém contato com a cúpula do Legislativo para fornecer um parecer técnico a ser considerado em conjunto com "as circunstâncias políticas" relacionadas ao adiamento.

Mais recentemente, diante da nova realidade da pandemia no país, Barroso não descartou a possibilidade dos mandatos dos prefeitos serem prorrogados por mais alguns dias ou semanas, sinalizando uma forte possibilidade do adiamento das eleições para o final de 2020, no mês de dezembro.

Share on Google Plus

Sobre Ricardo Nogueira

RICARDO LUÍS REIS NOGUEIRA, jornalista (Mtb. 32.204 RJ), foi um dos fundadores do jornal, atuando como Diretor Executivo e Redator Chefe desde 1987. Atualmente, é o Editor Responsável da Gazeta de Bananal e coordena o projeto do portal eletrônico do jornal na internet.